sexta-feira, 1 de julho de 2011

Do Coração

Vou começar esse post dizendo que essas duas últimas semanas foram as mais loucas, cansativas e estressantes da minha vida. Por acaso já aconteceu de vocês passarem por uma situação em que tudo está dando errado, parece que o mundo está desabando sobre a sua cabeça, jorram problemas na vida pessoal, profissional e financeira, o ataque de pelanca está batendo à sua porta, quando, de repente, do nada, as coisas começam a melhorar aos pouquinhos e, quando você percebe, está vivendo um dos melhores momentos da sua vida? Não? Pois foi exatamente o que aconteceu comigo nos últimos dias. Calma que eu explico. Relaxa, pega um cafezinho com adoçante que a história é complexa.

Tudo começou no início da semana passada. Eu estava me sentindo angustiada, com uma vontade danada de chorar e sem saber bem o porquê. Além disso, mesmo comendo pouco, estava me sentindo inchada e as roupas estavam bem apertadinhas. Mas como, Jesus, se quase não estou comendo nada? O jeito foi cortar as saídas do final de semana e ficar de molho em casa, tomando sopa. Nem deu tanto resultado assim. Estou emagrecendo muito lentamente, não sinto que as roupas ficam legais em  mim. Acho que me bateu uma depressãozinha quando eu percebi que meu corpo não é mais como antigamente, em todos os aspectos, incluindo meu metabolismo.
Daí veio o trabalho. Estamos em fim de semestre, e meus alunos quase me deixaram maluca com os preparativos da Semana Cultural. Passei sábados ensaiando coreografia, feriado de Corpus Christi procurando fantasia de anos 60, arrumando salas, comprando adereços... me canso só de lembrar. No meio de tudo isso, desenvolvemos o projeto Aluno Nota 10, fiquei uma madrugada inteira trabalhando na confecção de docinhos e certificados e, depois de tudo isso, uma colega (colega?) de trabalho me tirou do sério com umas colocações inoportunas e umas fofoquinhas despeitosas. Relatei à minha coordenadora, que convocou uma reunião com a moça. Ela chorou, disse que era perseguida por todos e acabou que ficou um clima super ruim entre a gente. 
Fechou com a vida pessoal. Eu e CH tivemos pequenos desentendimentos durante toda a semana, culminando com o fato de ele esquecer o nosso aniversário de 1 ano de casamento civil. É, eu confesso, só lembrei no finalzinho do dia, mas, né, nada boba que sou, encarnei total no meu personagem "não acredito que você esqueceu" e fui em frente. Talvez ele tenha se sentido meio mal, não tenho certeza, pois CH é uma verdadeira incógnita. Em todo caso, ele me levou ao cinema e me deu um belo presente, mesmo sem estar podendo esbanjar. Fiquei toda feliz, demos vários beijinhos no final da sessão mas, quando estávamos a caminho do barzinho para jantar, opa! Começamos a discutir de novo, e feio (por outros motivos que não cabem aqui). Fomos pra casa, eu chorando, ele meio triste.
Aí vem o lado bom de tudo. Na quarta feira, teve festa junina lá na escola. Eu e duas amigas do trabalho tivemos que criar uma coreografia do Xote das Meninas, o que nos rendeu muitas risadas. Nos apresentamos na frente de um monte de gente! Foi maravilhoso, todos aplaudiram. Minha família foi me prestigiar e, naquele momento, rodeada de familiares, amigos e alunos, eu me senti muito querida e vi o quanto eu estava me prendendo a bobagens.
E daí que a gente tá gordinha? Todo mundo que emagreceu teve sua fase gorda e, em vez de se esconder, a gente deve sair, se divertir, se valorizar, se amar. E daí que tenha uma colega de trabalho implicando com você? Esquece esse único ser insignificante e olha para os seus grandes amigos que estão ao seu lado, dando força, aplaudindo de pé e torcendo pelo seu sucesso. E daí se o trabalho é cansativo? Quer recompensa maior que um aluno dizer que você foi a melhor professora que ele teve na vida? Que suas alunas te abraçarem, emocionadas, depois de acertarem toda a coreografia que você passou horas ensaiando com elas?
E, por último, e daí que o maridão esqueceu o aniversário de casamento?
 ... 
Não, deixa pra lá,  isso não dá pra ver pelo lado positivo. Mas, como a esperança é a última que morre, vamos aguardar o mês que vem e o nosso aniversário de casamento de fato. Às vezes, o final feliz demora, mas sempre chega

Beijos e bom fim de semana.

2 comentários:

  1. Temos mesmo que olhar sempre pro lado positivo. Sempre bate aquele desespero, vontade de chorar... Mas depois que vemos os resultados tudo melhora.

    Mas lembrar do aniversario de casamento no civil??? Não lembro mesmo. Já me enrolo com o casamento de fato e com o aniversário de namoro... rsrsr É que o aniversário de namoro pra gente é mais especial que o casamento...

    Não encuca com isso flor, aproveita que tem um mês de distância entre um casamento e outro faz um mês de comemorações.... kkkk

    beijo grande e óitmo final de semana

    ResponderExcluir
  2. Ive,
    Que bom que está td se encaminhando... Estes períodos negros, sevem para nos fortalecer... Depois de passar por isto td, vai conseguir facilmente passar indiferente por um brigadeiro!
    Bjos, Fran.

    ResponderExcluir

Comenta aí!